sexta-feira, 25 de setembro de 2009

.do passeio.


E no meio da tormenta, encontrou um pedaço de terra para ancorar. Desafogou os olhos, murchou as tristezas e com cuidado tomou o ar necessário para iniciar a travessia. Abandonou os pesos, as alegrias e todas as palavras vazias. Deixou de lado também algumas vaidades, e licitou a si mesmo a coragem que tanto almejou ter. Era tarde quando partiu, e mais tarde ainda quando chegou. Do nada ao nada, numa valsa intranquila sobre o tapete azul. Versou tangos, rabiscou o ar. Estava pronto, enfim, para desaguar em si.


Mas queria mesmo é fazê-lo [em] lá. E em silêncio.